Aumento no valor dos combustíveis nas refinarias pode alterar preço final ao consumidor

Os motoristas brasileiros estavam conseguindo economizar mais com o valor do combustível na semana encerrada em 22 de abril.  Com o menor nível de preço médio em um ano e quatro meses, o preço da gasolina vendida nos postos havia caído 0,3%, passando a custar 3,629 reais o litro. O menor patamar desde a semana encerrada dezembro de 2015, quando o litro era vendido a 3,628 reais, de acordo com dados da ANP.

Contudo, devido à elevação dos preços dos derivados nos mercados internacionais desde a última revisão de valores, além de ajustes na competitividade da empresa no mercado interno, a Petrobras anunciou um aumento de 4,3% no preço do diesel e de 2,2%, em média, da gasolina nas refinarias.

Como a lei brasileira garante liberdade de preços no mercado, o reflexo do preço final ao consumidor dependerá dos repasses feitos por outros integrantes da cadeira de combustíveis como distribuidoras e postos revendedores. Segundo a estatal, a revisão dos valores dos combustíveis acontece uma vez a cada 30 dias, seguindo a política de preços anunciada pela Petrobras em outubro de 2016.

Ao que parece, segundo a companhia, se o ajuste for repassado integralmente e não houver alterações nas demais parcelas que compõem o preço ao consumidor final, o diesel pode subir 2,9% ou cerca de R$ 0,09 por litro, em média, e a gasolina, 1,2% ou R$ 0,04 por litro, em média. Essa nova política de reajuste mais frequentes da Petrobras já havia elevado o valor da gasolina em duas oportunidades e reduzido em outras quatro vezes.

Diante de tal fato, uma antiga canção resume bem essa nova alteração “tristeza não tem fim, felicidade sim”. Mantenha-se informado sobre tudo o que acontece no mercado offshore, acompanhe a Panorama e obtenha mais informações sobre a área de petróleo, gás, energias, pré-sal, combustíveis, gasolina, Petrobras, onshore e offshore. Lembre-se: seu negócio passa por aqui. Confira: www.panoramaoffshore.com.br   www.facebook.com/panoramaoffshore



Deixe uma resposta