Energias renováveis sofrem crescimento com pandemia

De acordo com uma pesquisa da PwC, a pandemia do novo coronavírus foi responsável por acelerar o desenvolvimento das fontes renováveis nos modelos de negócios das empresas de energia. Ainda segundo o estudo, essa tendência pode levar o setor para a próxima etapa da transição energética – a meta de emissão zero de carbono até 2050.

Para isso, o levantamento indica a necessidade de desenvolver novos produtos e serviços, assim como o gerenciamento da demanda e o estabelecimento de tarifas por tempo de uso, para pensar em tecnologias de armazenamento de energia elétrica. No Brasil, esse tipo de gerenciamento da demanda se torna ainda mais complexo em razão de suas dimensões geográficas e temas regulatórios.

Contudo, vale lembrar que o Brasil possui uma das matrizes energéticas mais limpas do mundo por conta do uso de hidrelétricas. E ainda assim, o país também vive o crescimento das energias renováveis como a solar, a eólica e o gás natural.

Ainda segundo o estudo, na Grã-Bretanha, por exemplo, o período de pandemia foi o mais longo em que o sistema elétrico operou sem a necessidade de acionar usinas de carvão desde o ano de 1822. Isso porque a demanda foi suprida por 39% de fontes renováveis, 30% de gás natural e 21% de energia nuclear. Todos esses fatores indicam para um panorama positivo na geração de energia renovável.

ACESSE AS REDES DA PANORAMA OFFSHORE:

Deixe uma resposta