Excesso de oferta faz preço do petróleo cair

O mês de novembro não terminou muito bem para o mercado de petróleo e gás. Com excesso de oferta global exacerbado, o penúltimo mês do ano terminou como o pior para o preço do barril do óleo em uma década. Após atingir o maior nível em quatro anos, em outubro, a cotação do petróleo despencou mais de 30%, configurando na mais desastrosa queda desde 2015.

Aumento dos estoques de petróleo nos EUA, amplificado pelas isenções do governo americano às sanções aplicadas ao petróleo do Irã, vem preocupando bastante o mercado. Isso sem contar que a demanda pelo combustível tem sido ameaçada pela disputa comercial entre os Estados Unidos e a China.

O petróleo manteve um patamar de US$ 50 neste mês de novembro o que indica exagero no movimento de venda e refletidos pelo excedente de oferta. Apesar do período difícil, há otimismo em relação aos cortes de oferta da Opep, bem como a desaceleração dos Estados Unidos, dado que os preços atuais podem paralisar a produção de xisto.

Isso sem contar que os números demonstram melhora futura. O contrato do barril do tipo West Texas Intermediate (WTI) para entrega em janeiro de 2019avançou 2,3%, enquanto o barril do tipo Brent para janeiro passou para US$ 59,58 na bolsa de Londres. Um novo pacto entre os países produtores pode também ajudar na valorização da commodity. A expectativa é boa, cabe esperar se vai se concretizar.

Saiba quais são as últimas notícias dos setores de petróleo, gás, energia, biocombustíveis, onshore e offshore, acesse o portal da Panorama Offshore. Lembre-se: seu negócio passa por aqui! Confira em www.panoramaoffshore.com.br e www.facebook.com/panoramaoffshore.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *