O conhecimento singra mares, céus e terras

Parece título bíblico, mas não é. A Panorama Offshore, portal de notícias, após atingir audiência de boa a ótima, eclética, envolvendo empresas, instituições de porte, CEOs, bacharelados, profissionais em busca de recolocação, outros com pós-graduação no e do exterior com um pé no Brasil, que nos pedem informações sobre as cidades de Maricá e Macaé, além da cidade do Rio de Janeiro, e proximidade dos portos de grandes produções, FPSOs, esses profissionais, lá de nossa audiência, estão num só ponto: querem desenvolvimento mais crescimento profissional e empresarial, conciliando nessa trajetória startups, investimentos, aquisição de áreas exploratórias, produção e de serviços.

Temos espaços publicitários no portal Panorama Offshore e para Comunicação Estratégica, “advocacy” e/ou gestão de crises – gerenciamento de crise a partir da Assessoria de Comunicação, ou comunicação Estratégica que fazemos bem. Indicamos para esses questionamentos os sites do IBP, ANP, MBA da Coppe/RJ, FGV, Única (RenovaBio), Petrobras, e os endereços das empresas que participam dos leilões dos ativos da petroleira brasileira. Diante dessa verve, a Panorama Offshore aponta alguns encaminhamentos de capacitação, como também no final da matéria assinala um breve vocabulário praticado no setor.

PETROBRAS – A empresa criou uma série interessante que aponta respostas às situações que parecem novas, mas que estão em voga, no dia a dia, diante da evolução do pré-sal, as grandes negociações, chamada de Jornada para o Conhecimento. Lá, pode-se aprender com Ph.D. sobre medição do tempo, o que aprender sobre ondas gigantes, robôs controlados remotamente subsea, tecnologias pioneiras sobre o pré-sal, cinco fontes de energias alternativas – Energia Geotérmica, Energia Maremotriz, Energia Eólica, Energia Solar e Lixo (lembram do filme de “Volta para o futuro”, que o combustível era lixo usado pelo doutor Doc Brown – ator Christhofer Loyd), e mais: material disponibilizado, como 5 livros para você mergulhar na ciência. O acesso é gratuito no site da Petrobras. Ah, ainda tem numa outra página 10 respostas para tirar dúvidas sobre a gasolina nossa de todo dia.

IBP – O Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás, Biocombustíveis e Energia vai à frente. Oferece cursos de especialização, contém um relatório específico do setor em seu portal dos anos anteriores, jantares e eventos para CEOs (Chief Executive Officer – ou Diretores Executivos), oportunidades para apresentação de trabalhos técnicos na Oil & Gas 2018 – o prazo termina dia 2 de março; veja em https://goo.gl/uFgRDR. Já os cursos para o mercado de petróleo, gás e biocombustíveis com aulas ministradas por mais de 200 profissionais e especialistas, sobre mais de 100 temas de 13 áreas do segmento e média de 32 horas de duração para treinar e qualificar profissionais da área no Rio de Janeiro. Tudo em parcerias com universidades e instituições de capacitação profissional como o Instituto Francês do Petróleo. Atenção: os cursos em sua maioria têm custos acessíveis quanto a relação benefício.

ANP – A Agência nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis é a principal agência reguladora vinculado do Ministério das Minas e Energia. A ANP foi criada para atender este imenso mercado de produção e extrativismo, numa planta legal que regulamenta as atividades da indústria do petróleo, gás natural e biocombustíveis consolidada no sistema de legislação da ANP, que é atualizado diariamente por publicações de atos, normas e leis no Diário Oficial da União e fornece toda a regulamentação desde 1998.

Na ANP você encontra no Sistema toda regulamentação organizada em resoluções, portarias técnicas e administrativas, instruções normativas, autorizações e despachos. Além de todas as informações técnicas sobre royalties desde 1999, por exemplo, mais o sistema regulatório, legislações, e onde atua a agência, a Central de Conteúdos da ANP mantém um acervo de vídeos, imagens, publicações diversas, as apresentações e palestras, dados estatísticos até notas e estudos técnicos.

Lá no portal da ANP ou mesmo em sua biblioteca, há como saber quanto cada município recebe de royalties, através do manual de cálculo dos royalties, que a Panorama Offshore repassa aqui. (Clique.)

VOCABULÁRIO – É comum nas revistas do segmento todo um conteúdo resumindo em palavras inglesas (sem xenofobia), e os players entendem e navegam na leitura em mar aberto num barco a velas sem vento. Ou mesmo as em português, que pelo uso contínuo do mercado, deu um quê de significado um tanto quanto diferente. Exemplo: comissionamento. No Caldas Aulete, comissionamento indica que: é substantivo masculino. > 1. Ato ou efeito de comissionar. > 2. Delegação de poder provisório. > 3. Nomeação para cargo em comissão ou para função temporária. Já no segmento offshore, petróleo e gás, significa “é o processo de assegurar que os sistemas e componentes de uma edificação ou unidade industrial, plataforma etc., estejam projetados, instalados, testados, operados e mantidos de acordo com as necessidades e requisitos operacionais da empresa, estatal, instituição proprietária. Ou seja, naquela plataforma ou unidade industrial para haver comissionamento não pode haver o mínimo de erro, daí à busca por certificações, ISOs – International Organization for Standardization ou Organização Internacional para Padronização, normas.

Algumas palavras e termos:
Bunker – combustível para abastecer navios.

EPC (Engineering, procurement and construction) – empresa ou conjunto de empresas responsáveis pela execução das fases de um projeto, aquisição de material e contratação de serviços, visando à construção de determinada obra.

Feedstock – insumo da refinaria, o blend ou mix de petróleo cru que a refinaria processa.

Floating, production, storage & offloading (FPSO) – Unidade flutuante de produção, armazenamento e transferência de petróleo construída a partir de um navio.

(Foto de um navio sonda, de preferência da Shell.)

FPU (floating production unit) – Unidade flutuante de produção.

High grade bond – obrigação classificada como de alta qualidade pelos serviços de classificação Standard & Poor’s (Triplo A) e Moody’s (Duplo A).

Metodologia Bottom-up – Metodologia para inventário de emissões atmosféricas que utiliza informações sobre o consumo de energia e combustíveis em cada fonte emissora de uma instalação, viabilizando a gestão individualizada de cada fonte.

Top-down — Metodologia para inventário de emissões atmosféricas que utiliza informações consolidadas sobre o consumo total de energia e combustíveis numa instalação ou conjunto de instalações; não permite a gestão.

QAV – Querosene de aviação.

Riser- porção vertical de uma linha de escoamento para transporte do óleo/gás natural do poço até a plataforma. Dutos flexíveis que ligam as linhas submarinas à plataforma de produção.

Turret – Esquema de ancoragem que consiste numa estrutura, do tipo tubulão, tem rolamentos, presa ao fundo do mar por um sistema de cabos e amarras. O sistema permite que o navio possa girar e se mantenha alinhado às forças naturais do vento e da maré.

São alguns dos termos técnicos que melhor se adequam ás necessidades de a compreensão de um texto sobre offshore, petróleo, gás e biocombustíveis. As três a seguir ficaram próximas e sem ordem alfabética para melhor compreensão:

Upstream– exploração e produção do óleo cru e gás natural.

Midstream – estocagem, transporte e comercialização das commodities.

Downstream – refino e distribuição dos derivados (abastecimento).



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *