Oportunidade para o petróleo brasileiro na Ásia

O pacto global, entre os membros da Opep e produtores parceiros, que visa redução na produção de petróleo para eliminar os excessos e valorizar os preços da commodity, pode ainda não estar atingindo as expectativas, mas, pelo menos, tem oferecido oportunidades para o petróleo nacional.

O óleo do Mar do Norte do Brasil tem avançado na Ásia a volumes recordes, isso por que, os cortes na produção estão subvertendo os fluxos tracionais e o Brasil tem preenchido a lacuna da demanda asiática por petróleo. De acordo com dados da empresa de análise Vortexa, a quantidade de petróleo do Brasil, oriundo do Mar do Norte, que vem sendo exportado aos países asiáticos teve elevação de 55%, nos quatro primeiros meses deste ano.

O maior consumidor do continente asiático é a China.  Conforme a Panorama Offshore divulgou, somente no mês de abril, as compras chinesas de petróleo bruto contaram com elevação anual de 5,6%, indo a 34,39 milhões de toneladas, o que equivale a 8,4 milhões de barris por dia. Isso sem contar que a Petrobras prevê um aumento de 30% nas exportações de petróleo este ano de 2017. No primeiro trimestre de 2017, 56% das exportações da estatal brasileira foram para os chineses.

Já as exportações totais do Brasil para a Ásia aumentaram 54% no período de janeiro a abril deste ano, totalizando uma média de 588 mil barris por dia. Como os fluxos provenientes de fora da Opep estão em níveis sem precedentes e a exportações para Ásia mostram-se duradouras, segundo investidores do setor, parece que o Brasil pode ter uma oportunidade única de se firmar como grande exportador para países asiáticos. O que pode oferecer oxigênio as contas brasileiras, mas sobretudo, a da Petrobras.

Continue mantendo-se informado sobre o mercado de petróleo, gás, energias, gasolina, combustíveis, Petrobras, onshore e offshore você também. Acesse o site da Panorama Offshore ou o Facebook.  Lembre-se: seu negócio passa por aqui. Confira: www.panoramaoffshore.com.br   www.facebook.com/panoramaoffshore.



Deixe uma resposta