Assassinato de general iraniano faz petróleo disparar e oxigena possível terceira guerra mundial

Na última quinta-feira (2), um ataque com drone dos Estados Unidos a um aeroporto em Bagdá, no Iraque, matou Qassem Soleimani, chefe da unidade da Guarda Revolucionária do Irã. Após os EUA confirmarem a autoria do bombardeio, os preços do petróleo subiram mais de 4%, nesta sexta-feira (3). O Brent aumentou 4,4%, indo para US$ 69,16, e o WTI saltou 4,3%, chegando a US$ 63,84.

O Irã tem a quarta maior reserva do petróleo no mundo e o Iraque, é o segundo maior produtor da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), exportando cerca de 3,4 milhões de barris de petróleo bruto por dia. Uma hora após a divulgação da morte de Soleimani, os preços do petróleo no mercado internacional já tinham aumentado.

O ocorrido alavancou o estado de tensão entre os países. Milicianos iraquianos já tinham invadido a embaixada americana em Bagdá, na terça-feira (31) e o presidente dos EUA, Donald Trump, prometeu retaliação. A invasão seria uma resposta a um ataque americano na fronteira com a Síria que matou 25 combatentes das Forças de Mobilização Popular do Iraque no domingo (29).

A embaixada dos EUA em Bagdá pediu a todos os cidadãos norte-americanos que deixem o Iraque imediatamente e especialistas já afirmam que pela importância do general ao país e pelo avanço das tensões, o ocorrido deve gerar consequências geopolíticas gravíssimas, desencadeando até mesmo a ideia de uma Terceira Guerra Mundial.

ACESSE AS REDES DA PANORAMA OFFSHORE:

Deixe uma resposta