Tesouro de ouro negro

Uma das maiores descobertas do mundo na última década, o pré-sal é um dos tesouros mais preciosos entre as principais riquezas do Brasil. Nesse tesouro, está contida uma capacidade para geração de bilhões de barris de petróleo que estão armazenados sob uma camada espessa de sal abaixo de uma profundidade gigantesca no oceano.

Tendo a Petrobras como alicerce no desenvolvimento da exploração dos poços de petróleo, de 2014 a 2018, a produção do pré-sal triplicou, passando de 500 mil barris de óleo por dia (2014) para 1,5 milhão barris de petróleo por dia (2018).

Esse crescimento altamente significativo representa um marco na indústria nacional de óleo e gás, tendo em vista que os campos estão situados em águas profundas e ultraprofundas. E se deve, principalmente, ao aumento da produtividade das áreas em operação no pré-sal concomitante com os avanços tecnológicos e científicos que impulsionaram o desenvolvimento dos processos exploratórios e de produção das camadas no setor.

Riquezas no fundo do mar
O volume produzido por poço no pré-sal da Bacia de Santos está muito acima da média da indústria de óleo e gás. São cerca de 25 mil barris de petróleo por dia, em média. Dos dez poços com maior produção no Brasil, nove estão localizados nessa área. O mais produtivo deles está no campo de Lula, com vazão média diária de 36 mil barris de petróleo por dia. Já o de Libra, um dos maiores e mais promissores projetos de produção de óleo e gás já desenvolvidos pela indústria offshore, apresenta reservatórios que estão entre os mais produtivos no mundo, com colunas de óleo que chegam a 400 metros de espessura – o equivalente à altura do Pão de Açúcar.

Mantenha-se informado sobre as principais notícias de petróleo, gás, energia, biocombustíveis, onshore e offshore. Lembre-se: seu negócio passa por aqui! Confira: www.panoramaoffshore.com.br / www.facebook.com/panoramaoffshore / @panoramaoffshore



Deixe uma resposta