Advogados de Trump estão tentando limitar depoimentos de assessores de Pence a 6 de janeiro

Os advogados do ex-presidente Donald Trump estão envolvidos em uma batalha legal de alto nível para limitar o depoimento de ex-assessores da Casa Branca a um grande júri federal que investiga seus esforços para influenciar as eleições de 2020.

A medida estabelece um desafio que pode afetar a investigação do Departamento de Justiça sobre o ataque ao Capitólio em 6 de janeiro de 2021 e aborda a intenção do ex-presidente de reivindicar o privilégio executivo ou advogado-cliente para proteger a confidencialidade dos consultores. ‘Comunicação.

Definições específicas de luta, Relatado pela primeira vez pela CNN, não está claro. A disputa envolveu depoimentos de dois assessores importantes do ex-vice-presidente Mike Pence – seu ex-chefe de gabinete Mark Short e o ex-assessor Greg Jacobs – disse uma pessoa familiarizada com o assunto. Aparecendo perante um grande júri em julho, Trump respondeu a poucas, mas todas as perguntas com base no privilégio, disseram pessoas familiarizadas com o assunto.

O Departamento de Justiça está investigando as ações de Trump na investigação criminal de 6 de janeiro

Os assuntos do grande júri são geralmente confidenciais. No entanto, os advogados de Trump M. Evan Corcoran, John B. Rowley III e Timothy C. O caso veio à tona depois que Parladore compareceu a um tribunal federal em Washington na quinta-feira com um promotor federal líder em 6 de janeiro, sem assuntos agendados publicamente. Thomas Windham. Uma pessoa familiarizada com o assunto disse que os representantes de Trump chegaram ao evento em 6 de janeiro.

As pessoas falaram sob condição de anonimato para discutir a investigação criminal em andamento.

Os advogados de Trump e uma porta-voz do gabinete do procurador dos EUA em DC disseram que não podiam comentar sobre questões do grande júri. Esforços para alcançar representantes de Short ou Jacobs não tiveram sucesso imediato na noite de sexta-feira.

READ  Um tribunal dos EUA rejeitou o pedido da FTC para suspender o contrato da Microsoft com a Activision

Uma disputa sobre privilégio executivo e obrigar o depoimento de uma testemunha perante um grande júri geralmente é tratada pelo juiz distrital dos EUA, Beryl A. Será investigado por Howell. Embora Howell tenha se movido rapidamente no passado, qualquer Um recurso ao Tribunal de Apelações do Circuito dos EUA para o Circuito do Distrito de Columbia pode se arrastar até o final do ano, e é improvável que os argumentos sejam divulgados antes disso. Um porta-voz de Howell não respondeu a um pedido de comentário.

Na maioria das frequentes brigas por privilégios executivos entre o Congresso e o Poder Executivo Os dois lados geralmente se comprometem e resolvem suas diferenças, em vez de correr o risco de parecer um favorito para qualquer ramo do governo.

Mas os riscos de uma investigação criminal sobre as ações de Trump durante a transição presidencial depois que ele perdeu a reeleição em novembro de 2020 podem dificultar as negociações.

O Departamento de Justiça está questionando testemunhas sobre conversas com Trump, seus advogados e outros em seu círculo íntimo Os aliados de Trump, Joe Biden, venceram em vez de eleitores certificados de alguns estados, disseram pessoas familiarizadas com o assunto. Os promotores passaram horas fazendo perguntas detalhadas sobre as reuniões de Trump em dezembro de 2020 e janeiro de 2021. Pressão sobre Benz Para derrubar a eleição. Essas linhas de investigação são separadas da investigação de documentos confidenciais recuperados da casa de Trump em Mar-a-Lago – um caso que também gerou uma batalha legal. Problemas relacionados a privilégios de administrador e cliente advogado.

Tanto Short quanto Jacob têm janelas exclusivas para esses eventos. Ambos estavam com Pence no Capitólio em 6 de janeiro. Eles testemunharam com o consentimento de Pence perante o Comitê Seleto da Câmara, que está conduzindo uma investigação paralela, embora o próprio ex-vice-presidente tenha se recusado a fazê-lo. Dois dias antes dos tumultos, John Eastman, um advogado particular de Trump, disse à equipe de Jacobs que a conspiração de Pence ajudaria a influenciar a eleição. Ilegal.

READ  Advogado Sam Bankman-Fried testemunhará em julgamento de fraude FTX

Em outros processos judiciais, os advogados de Trump defenderam as alegações de privilégio executivo, alertando que as decisões poderiam prejudicar a presidência ao enfraquecer a confidencialidade concedida às conversas com os principais assessores presidenciais. Eles argumentaram que permitir que um presidente em exercício renuncie unilateralmente ao privilégio executivo de seu antecessor poderia politizar e derrotar o propósito desse privilégio.

No entanto, as opções legais de Trump para interromper o depoimento podem ser limitadas por uma série de decisões judiciais desde 6 de janeiro.

Os tribunais há muito sustentam que as reivindicações de privilégio executivo ou advogado-cliente da Casa Branca são facilmente tratadas quando se busca informações em um processo criminal, e não no Congresso. O padrão para os promotores é se eles podem mostrar que uma testemunha pode ter informações importantes para uma investigação criminal que, de outra forma, não estariam prontamente disponíveis.

E Embora os legisladores devam cumprir o alto padrão, os tribunais estão do lado do Congresso desde janeiro, com a Câmara em 6 de janeiro rejeitando a tentativa de Trump de reter milhares de comunicações e registros da Casa Branca do comitê, uma tentativa semelhante de Eastman de solicitar confidencialidade advogado-cliente. .

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *