Alemanha rejeita Macron para tropas na Ucrânia e pede a Paris que ‘forneça mais armas’

Mantenha-se informado com atualizações gratuitas

O vice-chanceler da Alemanha disse que “não há chance” de enviar tropas terrestres para a Ucrânia e disse a Paris para dar mais armas a Kiev, desafiando a França.

Robert Habeck rejeitou na segunda-feira a sugestão do presidente francês Emmanuel Macron de não descartar o envio de tropas para a Ucrânia, enquanto líderes de toda a aliança militar da OTAN circulavam a ideia.

Questionado se enviar tropas para a Ucrânia era uma opção, Macron disse que a possibilidade foi discutida pelos líderes ocidentais, embora “hoje não haja consenso” sobre o assunto. “Mas nada deve ser descartado. Faremos o que for preciso para garantir que a Rússia não possa vencer esta guerra.

Os seus comentários, e as rápidas refutações de muitos dos seus aliados europeus, mostram o difícil equilíbrio que enfrentam as potências ocidentais que procuram formas de aumentar o apoio a Kiev, evitando ao mesmo tempo uma escalada mais ampla num momento crítico da guerra que já dura mais de dois anos.

A Rússia alertou na terça-feira que o envio de tropas poderia tornar inevitável uma guerra em grande escala contra a OTAN.

“Estou feliz que a França esteja pensando em como aumentar o seu apoio à Ucrânia, mas se posso dar uma sugestão: mais armas”, disse Habeck.

O chanceler alemão, Olaf Scholz, disse que as potências ocidentais concordaram que “não haverá tropas terrestres em solo ucraniano, nem tropas de países europeus ou da NATO”, uma declaração ecoada pelos seus homólogos na Polónia, Itália e República Checa.

A Alemanha é de longe o maior doador militar da Europa para a Ucrânia e há muito que critica a contribuição relativamente modesta da França, apesar dos orçamentos de defesa igualmente grandes.

READ  RJ Davis lidera a Carolina do Norte sobre Miami com o recorde do Smith Center 42

A França afirmou que não possui um grande arsenal de armas mais antigas que possam ser enviadas para a Ucrânia, oferecendo em vez disso armas mais sofisticadas, nomeadamente o seu míssil de cruzeiro SCALP.

Um funcionário da OTAN disse que a aliança não tinha planos de desembarcar tropas de combate. “A Ucrânia tem o direito à autodefesa e nós temos o direito de apoiá-los”, disse o funcionário.

Mas um alto funcionário de segurança europeu disse que a declaração de Macron criou dissuasão e ambiguidade contra a Rússia: “Todo mundo sabe que existem forças especiais ocidentais na Ucrânia – eles simplesmente não admitem isso oficialmente”.

Não houve nenhum sinal de recuo do Palácio do Eliseu na terça-feira. Uma autoridade francesa disse que os comentários de Macron eram um sinal do compromisso da França em defender a Ucrânia e que era necessário abrir um debate entre os aliados sobre o que deveriam fazer para evitar uma vitória russa.

Uma voz a favor de Macron veio da Lituânia, onde o conselheiro presidencial do país disse que estava a considerar enviar tropas para treinar soldados na Ucrânia.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros da Lituânia, Gabrielius Landsbergis, acrescentou: “Tempos como estes exigem liderança política, ambição e coragem. Vale a pena considerar a iniciativa subjacente à reunião de ontem em Paris.

O Kremlin afirmou que um conflito entre a Rússia e a NATO é inevitável se o bloco ocidental enviar tropas para combater na Ucrânia.

“Portanto, não é possível, mas inevitável. É assim que avaliamos”, disse Dmitry Peskov, porta-voz do presidente Vladimir Putin, a repórteres na terça-feira.

Depois de Macron ter dito que “não pode rejeitar” a ideia, Peskov disse que os países da NATO “devem perguntar-se se isso é do interesse deles e dos seus cidadãos”.

READ  Lea Michele vai estrelar 'Funny Girl' da Broadway após a saída de Benny Feldstein

A recusa de Berlim surge num contexto de crescente disputa interna na Alemanha sobre os riscos de escalada do conflito com a Rússia através do envio de mísseis Taurus de longo alcance para a Ucrânia.

Na segunda-feira, Scholz disse que seu país poderia ser visto como “participando da guerra” se enviasse os mísseis. “Os soldados alemães não devem estar ligados a estes alvos em qualquer lugar [Taurus] O sistema alcançará”, disse Scholes, não no terreno, na Ucrânia ou “na Alemanha”.

Numa farsa velada na Alemanha, Macron destacou que alguns aliados continuaram a dizer “nunca” aos tanques, aviões de combate e mísseis de longo alcance para a Ucrânia, e que há dois anos se ofereceram para enviar “sacos de dormir e capacetes”.

“Hoje [we all realise that] “Precisamos fazer mais, mais rápido e mais difícil para implantar mísseis e tanques”, disse ele.

Em Paris, autoridades disseram na terça-feira que Macron não estava defendendo o envio em massa de tropas ocidentais para as linhas de frente, mas sim que excluir o envolvimento não era mais um obstáculo para salvar o que o presidente francês chamou de “ambiguidade estratégica”.

Reportagem adicional de Sam Jones em Berlim, Leila Abbott em Paris, Max Seddon em Riga e John Paul Rathbone em Londres

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *