Biden defende apoio dos EUA a Israel e Ucrânia em discurso no Salão Oval

WASHINGTON – O presidente Joe Biden fará um raro discurso no horário nobre na quinta-feira, dizendo que acredita que é importante para Israel e a Ucrânia vencerem suas respectivas guerras, enquanto espera obter apoio para um grande pacote de ajuda que visa fortalecer ambos os países. .

O discurso de Biden no Salão Oval seguiu-se a uma rápida visita a Tel Aviv na quarta-feira, onde se encontrou com líderes israelitas para discutir a próxima fase de uma contra-ofensiva que começou com um ataque aéreo em Gaza e agora se transforma numa perigosa incursão terrestre.

Acompanhe aqui a cobertura ao vivo da guerra Israel-Hamas

Tal como na sua viagem à Ucrânia em fevereiro, Biden foi a uma zona de guerra ativa para mostrar solidariedade a um aliado americano.

Um dos objetivos de Biden é explicar aos americanos como os dois conflitos estrangeiros estão “se reconectando às nossas vidas”, disse o vice-conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, Jonathan Feiner, em uma aparição na quinta-feira. “Morning Joe” da MSNBC.

Ele usaria o discurso para explicar como “o apoio do povo americano e do Congresso, obviamente, é essencial para sustentar esta liderança nacional que a América está a demonstrar e conduzir estes conflitos numa direcção melhor”.

Os comentários de Biden procuram pressionar o Congresso a aprovar um pacote de financiamento adicional que a sua administração planeia apresentar já na sexta-feira. Biden pode buscar US$ 60 bilhões em ajuda para a Ucrânia e um total de US$ 40 bilhões para Israel, Taiwan e a fronteira EUA-México, disseram pessoas familiarizadas com o assunto à NBC News.

Biden está numa posição fraca ao tentar moldar a opinião pública em relação às guerras. Uma pesquisa da CNBC Tomado este mês, apenas 31 por cento dos americanos aprovam a forma como Biden lida com a política externa, enquanto 60 por cento desaprovam.

READ  A última Copa do Mundo de Messi não foi apenas uma partida. É uma causa, uma rebelião | copa do mundo 2022

Ele falará aos americanos que parecem cansados ​​da guerra na Ucrânia, que começou com a invasão da Rússia em fevereiro de 2022. Pesquisa Reuters/Ipsos Uma sondagem no início deste mês mostrou que 41 por cento aprovavam a declaração de que os EUA deveriam fornecer armas à Ucrânia – acima dos 46 por cento em Maio.

A América enviou cerca de US$ 44 bilhões Assistência de segurança à Ucrânia desde que a Rússia enviou pela primeira vez os seus tanques para Kiev, de acordo com o Departamento de Estado.

Antes do discurso, Biden conversou com o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, sobre o estado da guerra com a Rússia, de acordo com uma leitura da conversa na Casa Branca.

“O presidente Biden ressaltou o forte apoio bipartidário contínuo nos Estados Unidos para proteger a soberania, a integridade territorial e o futuro democrático da Ucrânia”, disse a Casa Branca.

A nível interno, a contra-ofensiva de Israel já provocou manifestações furiosas de manifestantes que apelam a um cessar-fogo. No Capitólio, Cerca de 300 manifestantes foram presos Depois de se reunir no interior do edifício de escritórios da Câmara na quarta-feira, a manifestação apelou ao fim das hostilidades. Entre os que participaram da manifestação estavam rabinos. Alguns dos manifestantes usavam camisetas que diziam: “Judeus dizem armistício agora”.

Além disso, um funcionário do Departamento de Estado que trabalha no gabinete que supervisiona as vendas de armas dos EUA demitiu-se esta semana em protesto, citando o fornecimento “continuado – na verdade, expandido e acelerado” de armas dos EUA a Israel.

Josh Ball, diretor de relações públicas e do Congresso, escreveu em sua carta de demissão: “Acredito no fundo da minha alma que Israel responderá e acredito no apoio americano a essa resposta e ao status quo. levar a um sofrimento cada vez mais profundo para o povo israelense e palestino.” A renúncia de Paulo foi relatada pela primeira vez HuffPost.

READ  Real Madrid vence Liverpool e conquista a Liga dos Campeões

O discurso do Salão Oval é um fórum poderoso que os presidentes normalmente reservam para crises nacionais ou notícias de importância crítica. John F. explicará a crise dos mísseis cubanos Esta é a plataforma escolhida por Kennedy, George W. Bush optou por tranquilizar uma nação aterrorizada na noite dos ataques de 11 de Setembro.

No caso de Biden, ele sinaliza que os interesses da política externa dos EUA estão ligados a duas guerras distantes. Biden argumentou que a derrota da Ucrânia encorajaria o presidente russo, Vladimir Putin, e deixaria a OTAN sem uma democracia independente à sua porta.

Mesmo que Israel expulse o Hamas de Gaza, o conflito no Médio Oriente apresenta um dilema agonizante, sem qualquer garantia do que acontecerá a seguir. A ofensiva terrestre israelita em Gaza coloca os civis palestinianos numa encruzilhada, sem ter para onde escapar. Como disse numa entrevista Aaron David Miller, antigo funcionário do Departamento de Estado especializado no Médio Oriente, a densamente povoada região costeira é uma “prisão a céu aberto”.

Voltando de Israel para casa na noite de quarta-feira, Biden disse aos repórteres que conversou por telefone com o presidente egípcio Abdel Fattah el-Sissi, que concordou em abrir uma passagem de fronteira para Gaza que permitiria o fluxo de ajuda humanitária e ajudaria os civis. Mas se o Hamas “confiscar” a ajuda, acrescentou Biden, o fluxo irá parar.

Biden também ofereceu uma sugestão indireta de que pressionaria Israel para encontrar uma alternativa aos ataques terrestres que poderiam causar vítimas civis em massa.

Questionado se Israel abandonaria a incursão terrestre, Biden disse: “Conversamos longamente sobre isso, sobre quais alternativas existem”.

Seu discurso na noite de quinta-feira foi uma oportunidade para expressar o que ele pensava.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *