China pede cessar-fogo Rússia-Ucrânia, reivindicações de neutralidade são questionadas

Hong Kong (CNN) A China reiterou seus apelos por uma solução política para o conflito na Ucrânia no aniversário de um ano da invasão da Rússia, enquanto Pequim se agrava. Pressão dos Estados Unidos e seus aliados sobre sua crescente parceria com Moscou.

Em um recém-publicado relatório de status Na sexta-feira, o Ministério das Relações Exteriores da China pediu a retomada das negociações de paz, o fim das sanções unilaterais e enfatizou sua oposição ao uso de armas nucleares – uma posição que o presidente chinês, Xi Jinping, comunicou aos líderes ocidentais no ano passado.

O documento de 12 pontos faz parte dos esforços mais recentes de Pequim para equilibrar seu relacionamento “sem restrições” com Moscou e cortar os laços com o Ocidente à medida que a guerra se arrasta.



O presidente russo, Vladimir Putin, encontra-se com Wang Yi, membro do Politburo do Partido Comunista da China, em Moscou em 22 de fevereiro de 2022.

“Conflito e guerra não beneficiam ninguém. Todas as partes devem ser racionais e exercer moderação, evitar alimentar chamas e tensões e evitar que a crise se agrave ou saia do controle”, disse o jornal.

A reivindicação de neutralidade de Pequim foi severamente prejudicada por sua recusa em reconhecer a natureza do conflito – até agora evitou chamá-lo de “invasão” – e seu apoio diplomático e econômico a Moscou.

Autoridades ocidentais levantaram preocupações de que a China esteja considerando fornecer ajuda militar perigosa à Rússia, uma acusação que Pequim nega.

O documento de política reitera muitos dos pontos de discussão padrão da China, inclusive instando ambos os lados a retomar as negociações de paz. Ele disse que “conversas e negociações são as únicas soluções viáveis ​​para a crise na Ucrânia”, acrescentando que a China desempenhará um “papel construtivo”, sem fornecer detalhes.

READ  Um filme de Beyoncé lidera as bilheterias em seu fim de semana de estreia

E embora diga que “a soberania, independência e integridade territorial de todos os países devem ser efetivamente mantidas”, o documento não reconhece a violação da Rússia da soberania ucraniana.

Grande parte da linguagem usada no documento foi dirigida ao Ocidente. Em uma crítica velada aos Estados Unidos, a revista disse que a “mentalidade da Guerra Fria” deve ser abandonada.

“A segurança de uma região não deve ser alcançada pelo fortalecimento ou expansão de bases militares. Os legítimos interesses de segurança e preocupações de todos os países devem ser levados a sério e devidamente tratados”, afirmou, acrescentando que a visão de Moscou de que o Ocidente provocou a guerra ao expandir isto. da OTAN.

Também parece criticar as amplas sanções econômicas impostas à Rússia pelos EUA e outros países ocidentais. “Sanções unilaterais e pressão máxima não podem resolver o problema; elas apenas criam novos problemas”, afirmou. “Para fazer sua parte na mitigação da crise na Ucrânia, os países relevantes devem interromper as sanções unilaterais e o abuso de ‘jurisdição de braço longo’ contra outros países.”

O jornal foi rapidamente criticado por autoridades americanas, com o conselheiro de segurança nacional dos EUA, Jack Sullivan, dizendo “se a Rússia parar de atacar a Ucrânia e retirar suas forças amanhã, a guerra terminará”.

“Minha primeira reação a isso é que pode parar em algum momento, o que significa respeitar a soberania de todos os países”, disse Sullivan à CNN. “A Ucrânia não atacou a Rússia. A OTAN não atacou a Rússia. A América não atacou a Rússia. Esta foi uma guerra escolhida por Putin.”

Em Pequim, o embaixador da União Europeia na China, Jorge Toledo, disse a repórteres em um briefing que a posição da China não era uma proposta de paz e que a UE estava “lendo os papéis com atenção”, informou a Reuters.

READ  GM acredita que Lamar Jackson quer encerrar carreira nos Ravens

A Ucrânia, enquanto isso, chamou o status quo de “um bom sinal”, mas a China pediu mais para ser feito.

“A China deve fazer tudo ao seu alcance para parar a guerra e restaurar a paz na Ucrânia, e instar a Rússia a retirar suas forças”, disse a encarregada de negócios da Ucrânia para a China, Zhanna Leshshinska, na mesma conferência em Pequim.

“Na neutralidade, a China deveria conversar com ambos os lados: Rússia e Ucrânia, e agora podemos ver que a China não está conversando com a Ucrânia”, disse ele, observando que Kiev não foi consultado antes da divulgação do jornal.

A posição foi discutida pela primeira vez pelo diplomata Wang Yi em uma conferência de segurança em Munique na semana passada, quando ele tentou colocar Pequim como um negociador de paz responsável em meio a uma ofensiva de charme diplomático na Europa.

Wang se encontrou com Putin na quarta-feira em Moscou, a última parada de sua viagem pela Europa.

Quando o embaixador chinês entrou na sala de reuniões, Putin recebeu Wang de braços abertos. disse As relações entre a Rússia e a China “atingiram novos marcos”.

“As relações russo-chinesas estão se desenvolvendo como planejamos nos anos anteriores. Tudo está progredindo e se desenvolvendo”, disse Putin a repórteres. “A cooperação na arena internacional entre a Federação Russa e a República Popular da China, como já dissemos repetidamente, é muito importante para estabilizar a situação internacional.”

Wang disse que os dois países “muitas vezes enfrentam crises e caos, mas na crise sempre há oportunidades”.

“Isso exige que identifiquemos as mudanças com mais disposição e respondamos às mudanças de forma mais ativa para fortalecer ainda mais nossa parceria estratégica abrangente”, disse Wang.

READ  LeBron James para comissário da NBA

A sucursal da CNN em Pequim e Jake Kwan contribuíram com reportagens.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *