Mais de 110 pessoas morreram em um terremoto no noroeste da China

Um forte terremoto abalou uma região montanhosa do noroeste da China pouco antes da meia-noite de segunda-feira, desabando edifícios enquanto as pessoas dormiam.

Pelo menos 116 pessoas morreram e 300 ficaram feridas na manhã de terça-feira após o terremoto de magnitude 6,2, segundo relatos da mídia estatal.

O número de mortos deverá aumentar à medida que um frenético esforço de resgate continua na terça-feira sob temperaturas congelantes no condado de Zhishan, perto da fronteira entre as províncias de Gansu e Qinghai.

A mídia estatal chinesa divulgou um vídeo de bombeiros escavando escombros em busca de sobreviventes, alertando que o frio extremo e o terreno elevado dificultam a localização de pessoas.

Terremoto em Sichuan, na China, leva a protestos contra o bloqueio da Covid

O poderoso líder da China, Xi Jinping, apelou na manhã de terça-feira a um esforço de busca e salvamento em grande escala e apelou à vigilância contra “desastres secundários” decorrentes da mudança do tempo ou das consequências.

Infraestruturas incluindo água, eletricidade e redes de comunicação e transporte também foram danificadas, informou a agência de notícias oficial Xinhua.

Gansu e Qinghai, no extremo leste do planalto tibetano, são as regiões mais pobres e com maior diversidade étnica da China.

Uma população predominantemente muçulmana, o povo Bonan, um dos grupos minoritários menos povoados da China, vive em Zhishishan, localizada a uma altitude de 6.500 pés acima do nível do mar.

A renda média disponível no condado é de US$ 2.600 por ano, ou cerca de metade da média nacional.

As cenas de devastação lembram um terremoto ainda mais mortal na província de Sichuan em 2008, que matou quase 90 mil pessoas.

READ  Roupa de banho 'amiga dos patos' da Pride Collection foi 'maior erro', diz ex-executivo da Target

Os desastres naturais tornam-se frequentemente focos de preocupação pública sobre as falhas oficiais. Para muitos, são um lembrete de que os menos ricos do país ainda vivem em condições difíceis e em habitações de construção barata.

Casas feitas de tijolos e vigas de madeira nas aldeias de Gansu, perto do epicentro do terremoto de segunda-feira. Quase completamente planoA mídia estatal noticiou.

O terremoto coincidiu com ondas de frio e baixas temperaturas recordes que já haviam fechado rodovias em grande parte do norte da China.

Depois de fugirem de seus abrigos, estudantes de uma escola secundária em Zhishan empilharam seus livros escolares e os queimaram para protegê-los da temperatura noturna de 7 graus Fahrenheit. vídeos nas redes sociais chinesas.

Pei-Lin Wu e Vic Chiang em Taipei, Taiwan, contribuíram para este relatório.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *