O Boeing Starliner foi abastecido para iniciar o primeiro vôo de teste pilotado

Um foguete Atlas 5 da United Launch Alliance foi usado no sábado para impulsionar a segunda tentativa de lançamento. Cápsula da tripulação Starliner da Boeing em órbita O primeiro voo piloto de teste da cápsula da tripulação, muitas vezes atrasada, ocorreu durante sua missão à Estação Espacial Internacional.

O burro de carga Atlas 5 está programado para pousar da plataforma 41 na Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral às 12h25 EDT, alinhado com a órbita da estação espacial, enquanto os astronautas da NASA Barry “Butch” Wilmore e Sunita Williams monitoram a ascensão automática da espaçonave.

A cápsula da tripulação Starliner da Boeing no topo de um foguete Atlas 5 da United Launch Alliance se prepara para decolar da plataforma 41 na Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral (foto de arquivo).

Aliança de Publicação Unida


Se tudo correr bem, o Starliner irá atracar na estação no domingo e atracar no porto avançado do observatório por volta das 13h50. Wilmore e Williams planejam retornar à Terra em 10 de junho.

O tão esperado voo será o primeiro lançamento pilotado do Atlas 5 e o primeiro lançamento de foguetes Atlas desde que o astronauta Gordon Cooper decolou a apenas alguns quilômetros de distância no voo final do programa Mercury, há 61 anos.

Da mesma forma, foi o primeiro voo piloto do Starliner, a resposta da Boeing ao Crew Dragon da SpaceX, um ônibus espacial já operacional e de baixo custo que transportou 50 astronautas, astronautas e civis para a órbita em 13 voos, 12 deles para a estação espacial, de um voo de teste piloto inicial em maio de 2020.

O comandante Barry “Butch” Wilmore e a co-piloto Sunita Williams cumprimentam simpatizantes na pista do Centro Espacial Kennedy após se prepararem para o lançamento do Centro Espacial Johnson em Houston na terça-feira. Ambos ex-pilotos de testes da Marinha, Willmore e Williams, estão entre os astronautas mais experientes da NASA, com quatro voos, 11 caminhadas espaciais e 500 dias no espaço entre eles.

NASA


A NASA financiou o desenvolvimento de ambos os ônibus espaciais para garantir que a agência pudesse enviar pessoal para o posto avançado, mesmo que o ônibus espacial da agência ficasse parado por qualquer motivo.

Já com anos de atraso devido a déficits orçamentários e vários problemas técnicos que custaram à Boeing mais de US$ 1 bilhão, a NASA esperava colocar o Starliner em órbita em 6 de maio. Mas o lançamento foi cancelado depois que os engenheiros da United Launch Alliance descobriram um problema. Com válvula de alívio de pressão na posição superior do centauro do foguete.

O Atlas 5 foi rebocado da plataforma e retornou ao Vertical Integration Facility da ULA, onde a válvula Centaur foi rapidamente substituída. Mas, após o lançamento, os engenheiros da Boeing notaram sinais de um pequeno vazamento de hélio no sistema de propulsão do Starliner.

Um certo sistema de controle de reação no módulo de serviço do Starliner encontrou um vazamento em um flange no encanamento que fornecia o hélio pressurizado para alimentar o jato. O vazamento foi classificado como “muito pequeno”, mas os engenheiros precisavam mostrar que não deterioraria seriamente a aeronave e causaria problemas em outros motores.

Após extensas análises e testes, os gestores da missão concluíram que a nave espacial poderia ser lançada com segurança, mesmo que a taxa de fuga fosse 100 vezes pior do que a observada até agora, e que não colocaria em perigo a tripulação ou a missão.

READ  Rainha Margrethe II: Monarca dinamarquesa anuncia abdicação ao vivo na TV

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *