O que você precisa saber sobre SLS, Orion?

A NASA planeja lançar a missão Artemis I do Kennedy Space Center, na Flórida, na segunda-feira, enviando o foguete Space Launch System (SLS) e a cápsula Orion em uma jornada de mais de um mês ao redor da lua. —

O lançamento não tripulado marca a estreia do foguete mais poderoso já montado e inicia o tão esperado retorno da NASA à superfície lunar. É a primeira missão do programa lunar Artemis da NASA, que deve pousar os astronautas da agência na lua em sua terceira missão em 2025.

Embora Artemis I não leve astronautas ou pousar na lua, a missão é importante para provar que o foguete monstro da NASA e a cápsula do espaço profundo podem entregar suas capacidades prometidas. Artemis I está atrasada há anos, com o projeto ultrapassando o orçamento de bilhões.

O foguete lunar Artemis I da NASA foi lançado em 16 de agosto de 2022, para Launch Pad Complex 39B no Kennedy Space Center em Cabo Canaveral, Flórida.

Chandan Khanna | AFP | Boas fotos

A missão Artemis I marcou um importante ponto de virada nos planos lunares da NASA.

Apesar dos atrasos, e absorvendo o orçamento relativamente pequeno da NASA pelos padrões da agência federal, o programa Artemis tem desfrutado de forte apoio político bipartidário.

As autoridades estimaram em 2012 que o foguete SLS custaria US$ 6 bilhões para ser construído, com um preço de lançamento de US$ 500 milhões com vencimento em 2017. Mas o foguete está apenas começando, custando mais de US$ 20 bilhões para ser construído Um preço de emissão subiu para US$ 4,1 bilhões.

O inspetor geral da NASA, seu auditor interno, disse no início deste ano que o Artemis não é o programa lunar “sustentável” que os funcionários da agência dizem que é. A agência descobriu que mais de US$ 40 bilhões já foram gastos no programa, e a NASA prevê que US$ 93 bilhões serão gastos até 2025, quando o primeiro pouso está programado.

READ  A Ford reduziu o preço do elétrico F-150 Lightning devido à queda na demanda

Mas mesmo essa data de 2025 está em dúvida, de acordo com o inspetor geral da NASA, que disse que as tecnologias de desenvolvimento necessárias para pousar na superfície lunar provavelmente não estarão prontas antes de 2026.

O programa Artemis da NASA também conta com o sucesso de outro foguete monstro: o Starship da SpaceX. A agência concedeu à SpaceX um contrato de US$ 2,9 bilhões no ano passado para construir uma versão específica da lua do foguete para servir como aterrissagem lunar da tripulação para a missão Artemis III.

A SpaceX começou a testar sua espaçonave Starship a sério em 2019, mas O foguete ainda não atingiu a órbita.

Vários empreiteiros espaciais nos Estados Unidos estão apoiando o hardware, a infraestrutura e o software do Artemis I da NASA. Boeing, Lockheed Martin, Northrop Grumman, Aerojet Rockettine E Jacobs Lidere o esforço. Segundo a NASA, o programa Artemis apoia cerca de 70.000 empregos em todo o país.

Vários centros da NASA além de Kennedy estão envolvidos como locais de lançamento, incluindo a sede de DC, Marshall no Alabama, Stennis no Mississippi, Ames na Califórnia e Langley na Virgínia.

A NASA está planejando as datas de lançamento de 2 e 5 de setembro, caso a tentativa de lançamento de 29 de agosto seja atingida por problemas técnicos ou atrasos climáticos.

Veja o que você precisa saber sobre o lançamento:

Foguete: SLS

O megafoguete SLS Moon da NASA, encimado pela espaçonave Orion, sai do Vehicle Assembly Building no Kennedy Space Center em 17 de março de 2022, a caminho do lançamento do Complex 39B para ensaio de lançamento em Cabo Canaveral, Flórida.

Paul Hennessy | Agência Anadolu | Boas fotos

Elevando-se como um arranha-céu a 322 pés, o foguete SLS é um veículo complexo construído com tecnologias usadas e aprimoradas pelos programas Space Shuttle e Apollo da NASA.

Totalmente abastecido, o SLS pesa 5,7 milhões de libras e produz 8,8 milhões de libras de empuxo – 15% a mais que os foguetes Saturn V do século passado. O SLS usa quatro motores RS-25 movidos a líquido que voaram no ônibus espacial antes de serem reformados e atualizados, bem como um par de propulsores de foguetes sólidos.

O palco central do SLS recebe sua cor laranja do sistema de proteção térmica, que é um isolamento de espuma em spray. Para as três primeiras missões Artemis, a NASA usou uma variante do SLS chamada Bloco 1. Para missões posteriores, a NASA planeja lançar uma variante ainda mais poderosa conhecida como Bloco 1B.

Cápsula: Órion

Espaçonave Orion da NASA

Fonte: NASA

A cápsula Orion da NASA pode transportar quatro astronautas em missões de até 21 dias sem se conectar a outra espaçonave. Em seu núcleo está o módulo da tripulação, projetado para suportar as duras condições do voo espacial.

Após o lançamento, o Orion é abastecido e operado pelo Módulo de Serviço Europeu construído pela Agência Espacial Europeia e pela contratada Airbus.

Para o Artemis I, a cápsula Orion terá três manequins com sensores para coletar informações sobre o que os astronautas vivenciarão em sua jornada de ida e volta à Lua. À medida que Orion volta a entrar na atmosfera da Terra a 25.000 milhas por hora, o retorno à Terra é crítico. Um escudo térmico protege o exterior de Orion, e um conjunto de pára-quedas o desacelerará para uma descida ao oceano.

Missão ao redor da Lua

O foguete lunar Artemis I da NASA fica na plataforma de lançamento 39B no Centro Espacial Kennedy em Cabo Canaveral, Flórida, em 15 de junho de 2022.

Eva Marie Uzcategui | AFP | Boas fotos

Artemis I viajará cerca de 1,3 milhão de milhas em 42 dias, distribuídos em várias fases. Depois de se separar do SLS, a cápsula implantará os painéis solares e iniciará uma jornada de vários dias até a Lua – conhecida como “injeção translunar”, deixando a órbita da Terra.

A NASA planeja voar Orion dentro de 60 milhas da superfície da lua antes de se mover para uma órbita ampla ao redor do corpo da lua. Para retornar, Orion usa a gravidade da Lua para ajudar a definir um caminho de volta à órbita da Terra.

A Orion deve cair no Oceano Pacífico – na costa de San Diego, Califórnia – onde uma equipe da NASA e do Departamento de Defesa recuperará a cápsula.

Além dos manequins a bordo do Orion, o cubo Artemis I carrega diversas cargas úteis, como satélites, demonstrações técnicas e estudos científicos.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *