Os elefantes selvagens podem ter nomes como: NPR

Este elefante adulto no Quênia foi chamado de “Rosa do Deserto” pelos pesquisadores, mas será que ele tem seu próprio nome de elefante?

George Whitmeyer


Ocultar título

Alterar o título

George Whitmeyer

Os elefantes selvagens parecem se comunicar uns com os outros usando sons únicos e vibrantes que correspondem a nomes individuais.

É um novo passo provocativo estudar Na revista Ecologia Natural e EvoluçãoInspirado em trabalhos anteriores que mostram que os golfinhos-nariz-de-garrafa têm assobios característicos.

“Às vezes, outro golfinho-nariz-de-garrafa imita seu apito característico para chamar a atenção de outras pessoas, chamando-os pelo nome de maneira eficaz”, diz ele. Mickey PardoBiólogo da Universidade Cornell.

Ele se perguntou se os elefantes, conhecidos como imitadores vocais, poderiam fazer algo semelhante.

“A ideia no início deste projeto era descobrir se os elefantes têm nomes”, diz Barto.

Ela se refere aos nomes pelos quais os animais se autodenominam, e não aos nomes dados a eles por pesquisadores conservacionistas como Margaret e Mary.

A trombeta dos elefantes é bem conhecida, mas Burdo diz que a trombeta é um som repentino, como um grito ou uma risada. Ele raciocinou que se os elefantes tivessem nomes, eles seriam de alguma forma codificados nos sons constantes e de baixa frequência dos elefantes.

“Os ruídos são muito variáveis ​​estruturalmente”, disse Pardo, que conduziu a pesquisa enquanto trabalhava na Universidade Estadual do Colorado. “Há muita variação em sua estrutura sonora”.

Os elefantes emitem esses sons específicos em todos os tipos de contextos, desde cumprimentar membros da família até confortar um filhote e manter contato com parentes distantes.

READ  As maiores questões que podem determinar o Boston Celtics-Miami Heat Game5

Assim, Pardo e alguns colegas analisaram gravações de 469 cantos feitos entre si por elefantes africanos selvagens no Parque Nacional Amboseli e nas Reservas Nacionais de Samburu e Buffalo Springs, no Quénia, entre 1986 e 2022.

Para cada chamada gravada, os pesquisadores aprenderam a identidade do elefante, bem como, com base no contexto, o elefante a quem se dirigia.

Se os elefantes tivessem nomes, não se esperaria que tivessem um em cada chamada – as pessoas não usam os nomes umas das outras sempre que falam umas com as outras.

No entanto, a equipe de pesquisa usou o aprendizado de máquina para determinar se os ruídos continham informações de identificação – essencialmente, um “nome” – que seu modelo de computador poderia aprender a usar para prever com precisão o destinatário da chamada.

O que descobriram foi que o seu modelo foi capaz de identificar o elefante receptor correto em 27,5% das vezes, muito melhor do que o que foi realizado durante uma análise controlada com base em dados aleatórios, diz Barto.

Isso, diz ele, “deve haver algo nas ligações que permita ao modelo descobrir para quem a chamada foi enviada, pelo menos em parte do tempo”.

Os investigadores fizeram algum trabalho de campo para ver se 17 elefantes – todos fêmeas, exceto uma – reconheciam os seus próprios “nomes” e preferiam gravações contendo esses sons.

“Precisamos encontrar uma situação em que um determinado elefante esteja sozinho, ou pelo menos não com o indivíduo que está gravando”, diz ele, explicando que a equipe reproduzirá a gravação através de alto-falantes.

Registros diferentes foram usados ​​em dias diferentes. Dependendo do dia, o elefante ouvirá primeiro uma chamada gravada enviada a ele ou uma chamada do mesmo elefante.

Além disso, os elefantes geralmente sabem quando usam uma mensagem vibrante para si mesmos, o que sugere que eles têm algo parecido com um nome. Quando ouviram esses chamados, rapidamente pegaram o alto-falante. Eles responderam muito mais rápido e retornaram mais ligações.

“Os elefantes responderam, em média, mais fortemente às reproduções de chamadas da primeira conversa do que às reproduções de chamadas do mesmo chamador enviadas para outra pessoa”, diz Barto.

Afirma que os resultados dessas verificações de antecedentes são “muito conclusivos”. Carlos BergBiólogo da Universidade do Texas Rio Grande Valley.

“Não tenho dúvidas de que eles estão tratando-os com rótulos exclusivos”, diz Berg. “Agora, esses são apelidos? São nomes? De onde eles são?”

Berg não faz parte deste grupo de pesquisa, mas está estudado Como os filhotes de papagaios adquirem cantos exclusivos, ou nomes, modificando ligeiramente o canto característico de seus cuidadores.

Neste estudo com elefantes, observa ele, os sons contendo informações de identificação parecem ser emitidos principalmente quando as mães se dirigem aos seus filhotes.

“Boa parte disso aconteceu entre as mães e seus filhotes”, diz Berg. “Parece que eles herdaram isso da mãe.”

Até agora, porém, ninguém foi capaz de descobrir exatamente quais características acústicas dos chocalhos de baixa frequência do elefante equivalem a um nome.

READ  Lamar Jackson e Ravens fogem dos Texans no segundo tempo para avançar para o AFC Championship Game

Barto diz: “Gosto muito de isolar o nome de elefantes individuais específicos, porque se conseguirmos fazer isso, poderemos responder a muitas questões que não podem ser totalmente exploradas neste estudo”.

Por exemplo, se todos os elefantes usam o mesmo “nome” quando se dirigem ao mesmo destinatário, não fica claro. Os pesquisadores também não sabem se os elefantes falam sobre algo na terceira pessoa. “Eles usam o nome de alguém quando não estão lá?” Bardo das maravilhas.

Berg observa que os animais que usam sons semelhantes a nomes – humanos, golfinhos, papagaios e agora elefantes – são todos animais inteligentes e sociais que vivem em grupos estáveis.

Mas isso não significa que todas essas criaturas usem nomes da mesma maneira.

“As pessoas podem presumir que os nomes dos elefantes funcionam da mesma forma que os nomes humanos, mas isso não é verdade”, diz Pardo.

Afinal, observa ele, humanos e elefantes estão separados por dezenas de milhares de anos de evolução. “Já faz muito tempo.”

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *