Eleição presidencial do Irã definida entre reformistas e linha-dura: NPR

Um iraniano vota em uma seção eleitoral em Teerã durante as eleições presidenciais do país na sexta-feira.

Hossein Berris/AFP


Ocultar título

Alterar o título

Hossein Peris/AFP

Os iranianos irão às urnas novamente na próxima semana para decidir entre um presidente reformista e um conservador linha-dura.

Após o primeiro turno de votação na sexta-feira, nenhum dos candidatos obteve a maioria, a segunda fase da eleição está em andamento. Segundo a lei eleitoral iraniana, um candidato deve obter uma vitória absoluta com 50% mais um voto.

Mas surgiram dois candidatos principais: o reformista Massoud Besheshkian e o linha-dura Seyed Jalili.

Bejeshkian apelou a um maior contacto com o mundo exterior como forma de melhorar a economia do Irão, enquanto Jalili é um antigo negociador nuclear com fortes opiniões antiocidentais.

Os dois se encontrarão no segundo turno marcado para 5 de julho. A eleição antecipada visa substituir o ex-presidente Ibrahim Raisi, que morreu em um acidente de helicóptero no mês passado.

No Irão, o líder supremo exerce muito poder. Mas o presidente ainda pode influenciar a política interna e alguma política externa.

As próximas eleições presidenciais serão as segundas eleições presidenciais na história do país. A primeira foi em 2005, quando o linha-dura Mahmoud Ahmadinejad venceu o ex-presidente Akbar Hashemi Rafsanjani. Os críticos do Irão são rápidos a apontar para as eleições no país Não é gratuito ou justo.

Como foi a primeira votação?

Na sexta-feira, Pezeshkian recebeu 10,4 milhões de votos, atrás de Jalili com 9,4 milhões, segundo a Agência de Notícias da República Islâmica do Irã.

READ  Phil Russell: lenda da NBA morre aos 88 anos

Como alguns esperavam, a votação linha-dura foi dividida, enquanto se acredita que Pezeshkian tenha recebido muitos votos de iranianos moderados ou reformistas.

As eleições também confirmaram a insatisfação generalizada entre os eleitores com o actual processo político do Irão. A participação foi a mais baixa da história da República Islâmica, dando continuidade a uma tendência observada noutras eleições recentes.

O que está em jogo?

Antes da morte do Presidente Raisi, ele era considerado um protegido e possível sucessor do líder supremo de 85 anos, o aiatolá Ali Khamenei.

Agora, ainda não está claro quem substituirá Khamenei, que detém o poder de tomar as decisões mais importantes no Irão.

É claro que Khamenei não apoia muitas das ideias de reforma apresentadas por Pezeshkian, incluindo apelos a um maior envolvimento com outros países.

Mas, em geral, os observadores não previram uma mudança significativa na votação. Nenhum dos candidatos pressionou por políticas consideradas controversas, como um código de vestimenta islâmico rigoroso para as mulheres.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *