Forças ucranianas avançam em direção a Kherson, Kiev ordena bloqueios elétricos

  • Atualmente, as restrições em todo o país estão limitadas a um dia
  • Novos danos à infraestrutura crítica, diz Zelenskiy
  • A batalha pela cidade de Kherson, no sul, continua

20 de outubro (Reuters) – Os militares da Ucrânia reforçaram o cordão de isolamento em torno das forças russas que ocupam a cidade de Kherson, no sul, nesta quinta-feira, quando o governo ordenou um apagão nacional após ataques de drones a mísseis e usinas de energia russos.

Em Kherson, a única capital regional que as forças russas capturaram desde a invasão, oito meses atrás, um governo nomeado pelos russos começou a evacuar a cidade, que controla a única rota terrestre para a península da Crimeia, que a Rússia tomou em 2014. Rio Dnipro.

Na quarta-feira, Kirill Stremousov, vice-chefe do governo apoiado pela Rússia na região de Kherson, escreveu em um telegrama que a Ucrânia lançou um ataque a Novaya Kamianka e Perislav na região de Kherson.

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

Enquanto a Ucrânia permaneceu de boca fechada sobre suas operações, seus militares disseram que 43 soldados russos foram mortos e seis tanques e outros equipamentos destruídos em uma atualização na quinta-feira na região de Kherson.

A Reuters não pôde verificar os relatórios do campo de batalha.

A televisão estatal russa transmitiu imagens de pessoas fugindo de barco pelo rio Dnipro, retratando o êxodo como uma tentativa de evacuar civis antes de se transformar em uma zona de guerra.

Cerca de 50.000 a 60.000 pessoas serão evacuadas nos próximos seis dias, disse Vladimir Zalto, chefe do Kherson, fundado pela Rússia, enquanto a Rússia tem recursos para manter a cidade e até montar um contra-ataque, se necessário.

READ  A guerra Israel-Hamas se intensifica à medida que aumentam as mortes em Gaza: atualizações ao vivo

Enquanto a Ucrânia estava na linha de frente, a Ucrânia contava o custo dos ataques de longo alcance da Rússia dentro de suas fronteiras.

Na quinta-feira, o governo impôs restrições nacionais ao uso de eletricidade pela primeira vez desde a invasão da Rússia, após uma série de ataques a usinas de energia pouco antes do início do inverno.

Autoridades do governo e a operadora de rede Ukrainergo disseram que o apagão seria entre 7h e 23h, e um assessor presidencial disse que apagões temporários são possíveis, a menos que as pessoas reduzam o uso de eletricidade.

“Não excluímos que muitas vezes pediremos sua ajuda quando o inverno começar”, disse Ukrenerko.

A Rússia intensificou os ataques de mísseis e drones à infraestrutura de eletricidade e água da Ucrânia nos últimos dias.

“Houve novos danos à infraestrutura crítica. Três instalações de energia foram destruídas pelo inimigo hoje”, disse o presidente Volodymyr Zelensky em um discurso em vídeo na noite de quarta-feira.

“Consideramos que o terrorismo russo será direcionado a instalações de energia até derrubarmos 100% dos mísseis e drones inimigos com a ajuda de parceiros”, disse Zelensky, acrescentando que as terceiras usinas foram instaladas no início da semana. Sofreu por ataques aéreos russos.

Zelenskiy deveria discursar em uma cúpula da UE na quinta-feira. Os líderes dos 27 estados membros discutirão opções de apoio adicional à Ucrânia, incluindo equipamentos de energia, ajuda para restaurar o fornecimento de eletricidade e financiamento de longo prazo para reconstrução.

Ataques de drones, negociações de grãos

Testemunhas da Reuters disseram que cinco drones atingiram a cidade de Mykolaiv, no sul, na quinta-feira, mas não ficou claro onde eles explodiram ou quanto dano foi causado.

READ  Alemanha rejeita Macron para tropas na Ucrânia e pede a Paris que ‘forneça mais armas’

A Ucrânia acusa a Rússia de usar “drones kamikaze” Shahed-136, de fabricação iraniana, que voam em direção a seus alvos e os detonam. O Irã se recusa a fornecê-los e o Kremlin se recusa a usá-los.

Os Estados Unidos, a Grã-Bretanha e a França questionaram a transferência de drones do Irã para a Rússia em uma reunião do Conselho de Segurança da ONU, disse o porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Ned Price.

A Rússia reconsiderará sua cooperação com o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, e sua equipe se a Ucrânia e o Ocidente enviarem especialistas à Ucrânia para examinar os drones derrubados que dizem terem sido feitos no Irã, disse o vice-embaixador da Rússia na ONU, Dmitry Polyansky, a repórteres.

Poliansky disse não estar confiante em chegar a um acordo com Guterres e outros funcionários da ONU nas negociações para estender e expandir o acordo de 22 de julho que levou à retomada das exportações de grãos e fertilizantes do Mar Negro pela Ucrânia. O acordo pode expirar no próximo mês.

Enquanto isso, os EUA impuseram novas sanções à Rússia, visando uma rede acusada de comprar tecnologias militares e de uso duplo de fabricantes americanos para usuários russos.

Na Frente Oriental

No leste da Ucrânia, na fronteira com a Rússia, as forças de Moscou concentraram seus principais esforços para avançar nas cidades de Pakmut e Avdiyvka, disseram os militares ucranianos.

Pakmut está no centro do lento avanço da Rússia pela região de Donetsk. Os militares ucranianos relataram ataques de tanques e artilharia por forças treinadas em pelo menos 10 cidades da região, incluindo Bagmut, Soledar e Bilohoryvka.

O presidente russo, Vladimir Putin, exigiu nesta quarta-feira um esforço de guerra de toda a Rússia e declarou lei marcial em áreas ocupadas por suas forças na Ucrânia.

READ  2 mortos e 5 feridos em tiroteio perto do salão de automóveis Peck Park em San Pedro

Zelensky alertou contra as tentativas russas de recrutar ucranianos nos territórios ocupados para o exército, dizendo que eles deveriam tentar sair.

“Se você não pode fazer isso, se você não pode se encontrar nas estruturas militares russas, então na primeira oportunidade abaixe suas armas e tente chegar às posições ucranianas”, disse ele.

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

Relatório do Reuters Bureau; por Grant McCool, Lincoln Feist e Simon Cameron-Moore; Edição por Rosalba O’Brien e Stephen Coates

Nossos padrões: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *