Gorbachev foi um raro líder mundial que se arrependeu, mas alguns ainda estão amargos

BERLIM (AP) – Mikhail GorbachevO último líder da União Soviética foi saudado na quarta-feira como um líder raro que mudou o mundo e trouxe esperança de paz entre as superpotências, muitas das quais restauraram a democracia em países europeus comunistas.

Mas morreu na terça-feira aos 91 Ele foi insultado por muitas nacionalidades que o culparam pelo colapso da União Soviética em 1991 e seu declínio como superpotência. Emergindo de seu passado soviético, a nação russa encolheu de tamanho à medida que 15 novos estados surgiram.

A perda de orgulho e poder acabou levando à ascensão do presidente russo Vladimir Putin, que passou o último quarto de século tentando restaurar a Rússia à sua antiga glória e além.

O presidente dos EUA, Joe Biden, elogiou Gorbachev como aberto a mudanças democráticas. Gorbachev Ele ganhou o Prêmio Nobel da Paz em 1990 pelo fim da Guerra Fria.

“Após décadas de repressão política brutal, ele abraçou as reformas democráticas. Ele acreditava na glasnost e na perestroika – abertura e reestruturação – não como meros slogans, mas como o caminho a seguir para o povo após anos de isolamento e privação na União Soviética”, disse Biden. disse.

Biden acrescentou: “Estas foram as ações de um líder raro – a imaginação para ver que um futuro diferente era possível e a coragem de arriscar toda a sua vida para alcançá-lo. O resultado foi um mundo mais seguro e mais liberdade para milhões de pessoas”.

Embora Gorbachev fosse amplamente celebrado no exterior, ele permaneceu um pária em casa. Putin admitiu que Gorbachev “Teve uma profunda influência no curso da história mundial.”

Putin enviou suas condolências à família de Gorbachev em um curto telegrama dizendo: “Ele liderou o país durante mudanças difíceis e dramáticas, em meio a enormes desafios de política externa, econômicos e sociais”.

Putin disse que Gorbachev “percebeu a necessidade de reformas e tentou oferecer suas soluções para problemas sérios”.

READ  Estados Unidos 2 x 0 México (24 de março de 2024) Análise do jogo

As reações de autoridades e legisladores russos foram variadas. Eles elogiaram Gorbachev por seu papel no fim da Guerra Fria, mas o culparam pelo colapso da União Soviética.

Miniatura do vídeo do Youtube

Oleg Morozov, membro do principal partido do Kremlin, Rússia Unida, disse que Gorbachev “deveria lamentar” os erros cometidos contra os interesses da Rússia.

“Ele foi um co-autor voluntário ou não da ordem mundial injusta que nossos soldados estão agora lutando no campo de batalha”, disse Morozov, referindo-se à atual guerra da Rússia na Ucrânia.

Lech Walesa, líder do movimento pró-democrático Solidariedade da Polônia na década de 1980 e presidente do país de 1990 a 1995, tinha uma visão mais sutil de Gorbachev. Ele disse que “admirava e gostava dele, mas não o entendia”.

“Ele acreditou até o fim que o comunismo poderia ser reformado, mas, pelo contrário, não acredito que seja possível”, disse Walesa Virtualna à mídia Polska.

Walesa acrescentou: “Ele sabia que a União Soviética não duraria muito e fez tudo o que pôde para impedir que o mundo levasse a Rússia a prestar contas do comunismo. E ele conseguiu lá.

Os líderes mundiais prestaram homenagem a um homem que alguns descreveram como um líder brilhante e corajoso.

Na Alemanha, Gorbachev é considerado um dos pais da reunificação do país na década de 1990 e é popularmente conhecido como “Gorby”, com a ex-chanceler Angela Merkel o saudando como “um político mundial único”.

“Gorbachev escreveu a história do mundo. Ele se lembra de temer a queda do Muro de Berlim em 1989 que os tanques russos pudessem entrar na Alemanha Oriental, onde ele morava.

O atual chanceler alemão Olaf Scholz elogiou Gorbachev por abrir caminho para a reunificação de seu país, embora também tenha apontado que Gorbachev morreu em um momento em que muitas de suas conquistas estavam sendo apagadas.

READ  Fundador da FTX, Bankman-Fried, se opõe a fiança estrita, promotores o chamam de 'saco de areia'

“Sabemos que ele morreu em um momento em que não apenas a democracia falhou na Rússia – não há outra maneira de descrever a situação atual – mas a Rússia e o presidente russo Putin iniciaram uma guerra terrível ao abrir novas trincheiras na Europa. Um vizinho, Ucrânia”, disse Scholz.

O ex-primeiro-ministro britânico Boris Johnson disse: “Durante a ocupação da Ucrânia por Putin, o compromisso incansável (de Gorbachev) de abrir a sociedade soviética é um exemplo para todos nós”.

O presidente francês Emmanuel Macron chamou Gorbachev de “um homem de paz, cujas escolhas abriram o caminho para a liberdade para os russos. Seu compromisso com a paz na Europa mudou nossa história compartilhada”.

Outros na Europa desafiaram as memórias positivas de Gorbachev.

“Os lituanos não glorificarão Gorbachev”, tuitou Gabrielius Landsperkis, filho de Vytautas Landsperkis, que liderou o movimento de independência da Lituânia no início dos anos 1990 e principal diplomata da Lituânia.

As memórias ainda estão frescas na nação báltica de 13 de janeiro de 1991, quando centenas de lituanos invadiram uma torre de televisão em Vilnius e esmagaram uma tentativa das tropas soviéticas de restaurar a independência do país. No confronto que se seguiu, 14 civis foram mortos e mais de 140 feridos. Em agosto daquele ano, Moscou reconheceu a independência da Lituânia.

“Nunca esqueceremos o simples fato de que seu exército matou civis para perpetuar a ocupação de nosso país por seu regime. Seus soldados abriram fogo contra nossos oponentes desarmados e os esmagaram sob seus tanques. É assim que vamos nos lembrar dele”, escreveu Landsbergis.

Mas outro líder báltico, o presidente letão Egils Levits, observou que as políticas de Gorbachev levaram à eventual independência dos três estados bálticos.

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, chamou Gorbachev de “o tipo de político que mudou o curso da história” e “fez mais do que qualquer outro indivíduo para trazer um fim pacífico à Guerra Fria”.

READ  Xcel Power: restauração de energia pode se estender até segunda-feira

“O mundo perdeu um líder global imponente, um defensor incansável do multilateralismo e da paz”, disse a ONU.

Os contemporâneos de Gorbachev apontaram o fim da Guerra Fria como uma de suas conquistas.

“Mikhail Gorbachev foi fundamental para o fim pacífico da Guerra Fria. Em casa, ele era uma figura histórica, mas não da maneira que pretendia”, disse Robert M. Gates, que serviu como chefe da CIA de 1991 a 1993 e mais tarde se tornou secretário de defesa dos EUA.

O primeiro-ministro israelense Yair Lapid, que chamou Gorbachev de “um líder corajoso e um grande político”, disse que o último líder soviético “abriu os portões da União Soviética para uma grande onda de imigração judaica para Israel na década de 1990”.

Na Ásia, Gorbachev é lembrado como um líder com coragem para provocar mudanças.

A China reconheceu o papel de Gorbachev na cura das relações entre Moscou e Pequim. Gorbachev foi uma inspiração para reformar pensadores na China no final da década de 1980, e sua visita a Pequim em 1989 marcou um divisor de águas nas relações bilaterais.

“O Sr. Gorbachev fez contribuições positivas para a normalização das relações entre a China e a União Soviética. Lamentamos sua morte e estendemos nossas condolências à sua família”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Zhao Lijian.

No entanto, os líderes do Partido Comunista da China veem a abordagem liberal de Gorbachev como uma perigosa demonstração de fraqueza e uma forma de capitulação aos seus movimentos em direção à coexistência pacífica com o Ocidente.

___

Patrick Quinn reporta de Bangkok. Jornalistas de Andhra de todo o mundo contribuíram para este relatório.

___

Mais histórias da AP sobre Mikhail Gorbachev aqui: https://apnews.com/hub/mikhail-gorbachev

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *