Levante de esquerda derrota direita, mas eleições francesas terminam em impasse



CNN

A Lcoalizão de esquerda Ganhou mais assentos no parlamento francês após uma votação tática no domingo Eleição em segundo turno O partido de extrema-direita de Marine Le Pen foi derrotado, mas sem nenhum partido alcançar uma maioria absoluta, a França ficará no limbo político.

Num resultado surpreendente, a Nova Frente Popular (NFP) – uma coligação de partidos que vão desde o partido de extrema-esquerda France Unboot até aos socialistas e ambientalistas moderados – conquistou 182 assentos na Assembleia Nacional, tornando-se o maior grupo. Aquém dos 289 necessários para uma maioria absoluta, disse o Ministério do Interior francês.

O bloco centrista do presidente Emmanuel Macron, que caiu para um triste terceiro lugar no primeiro turno de votação do último domingo, apresentou uma forte recuperação para conquistar 163 assentos. Apesar de liderar após o primeiro turno de votação, o partido de extrema direita Reunião Nacional (RN) de Marine Le Pen e seus aliados conquistaram 143 assentos.

O forte desempenho do RN na primeira volta alimentou receios de que a França pudesse estar prestes a eleger o seu primeiro governo de extrema-direita desde o regime colaboracionista de Vichy, na Segunda Guerra Mundial. Mas os resultados de domingo foram uma grande surpresa e mostram o desejo esmagador dos eleitores franceses de impedir que a extrema-direita tome o poder – mesmo ao custo de um parlamento suspenso.

Após o primeiro turno, um número sem precedentes de cadeiras – mais de 300 – foi para um segundo turno triplo entre Ensemble, NFP e RN. Na terça-feira, mais de 200 candidatos centristas e de esquerda desistiram do segundo turno, num esforço para evitar uma votação dividida.

Aplausos ecoaram nas ruas de Paris quando a previsão foi anunciada. Falando a uma multidão de apoiantes extasiados perto da Praça Estalinegrado, Jean-Luc Mélenchon, o líder incendiário da Anbo francesa, disse que os resultados foram “um grande alívio para a maioria das pessoas no nosso país”.

READ  Bradley Beal Trade Thoughts: O papel subversivo de Isiah Thomas no Suns, NBA Super Teams e Chris Paul

“Nosso povo rejeitou claramente o pior cenário”, disse Mélenchon. “Uma incrível onda de mobilização cívica foi detectada!”

O apoiador de Macron, Gabriel Atal, anunciou sua renúncia ao cargo de primeiro-ministro na manhã de segunda-feira. Ele pareceu criticar a decisão de Macron de convocar um referendo imediato, dizendo que “não escolheu” dissolver o parlamento francês.

Noutras partes de Paris, a atmosfera animada num evento de campanha do RN no Bois de Vincennes transformou-se numa sufocação uma hora antes do encerramento das urnas. Depois que a previsão for anunciada, Jordan BartellaO líder do partido, de 28 anos, disse que a França mergulhou na “incerteza e instabilidade”.

Eleito líder por Marine Le Pen numa tentativa de livrar o partido das suas raízes racistas e anti-semitas, Bartella levou o partido mais perto das portas do poder do que nunca. Decepcionado com os resultados, ele criticou o NFP como uma “coalizão de respeitabilidade”.

“A partir de amanhã, os nossos representantes tomarão os seus assentos para confirmar que nos opomos às políticas migratórias e outras políticas da extrema esquerda. Não entraremos em nenhuma coligação ou compromisso, estaremos ao lado do povo francês”, disse ele.

Yara Nardi/Reuters

Apoiadores do partido de extrema esquerda França Insubmissa comemoram os resultados perto da Praça Stalingrado, em Paris.

Numa breve declaração, o Eliseu disse que Macron estava à espera dos resultados completos de todos os 577 círculos eleitorais “antes de tomar as decisões necessárias”.

“No seu papel de garante das nossas instituições, o presidente garantirá que a escolha soberana do povo francês seja respeitada”, afirmou.

Após as eleições parlamentares, o presidente francês nomeia um primeiro-ministro do partido com mais assentos. Normalmente, significa um candidato do próprio partido do presidente. No entanto, os resultados de domingo deixam Macron perante a possibilidade de nomear um homem da coligação de esquerda, num raro acordo conhecido como “colaboração”.

READ  Sen. Bob Menendez e sua esposa Nadine foram indiciados por suborno

Falando aos apoiantes perto da Praça Estalinegrado, Mélenchon disse que “Macron tem o dever de apelar a uma nova Frente Popular para governar”.

Geoffrey van der Hasselt/AFP/Getty Images

Uma grande bandeira francesa diz “A França nasceu da colonização” em um evento na Place de la République, em Paris.

Mas não está claro para nenhum partido da coligação que Macron nomeará o primeiro-ministro. O France Unboot conquistou 74 assentos, tornando-se o maior partido único dentro do NFP, à frente dos socialistas com 59 assentos.

Mas Macron e os seus aliados insistiram repetidamente que se recusam a entrar numa coligação com Mélenchon. Depois da primeira volta do passado domingo, o primeiro-ministro cessante, Gabriel Attal – um protegido de Macron – disse que o Unboot da França estava a impedir a extrema-direita de formar uma “alternativa credível”.

O NFP foi formado menos de um mês depois de Macron ter convocado um referendo imediato após a derrota desastrosa do RN nas eleições para o Parlamento Europeu do mês passado.

A aliança capaz – e divisiva – escolheu o seu nome numa tentativa de reavivar a Frente Popular original, que impediu a extrema direita de ganhar o poder em 1936. Os resultados de domingo viram o NFP fazer isso novamente.

Fez campanha com uma plataforma de aumento do salário mínimo mensal para 1.600 euros (mais de 1.700 dólares), limitando o preço dos alimentos essenciais, electricidade, combustível e gás e revogando a reforma profundamente impopular das pensões de Macron que aumentou a idade de reforma francesa. Já é um dos mais baixos do mundo ocidental – de 62 a 64.

A votação de domingo representa uma vitória para o “jardim sanitário” francês, uma política que exige que os principais partidos se unam para evitar que a extrema-direita tome posse.

Mas o sucesso do RN não deve ser subestimado. Nas eleições de 2017, quando Macron chegou ao poder, o RN conquistou apenas oito cadeiras. Em 2022, subirá para 89 vagas. Nas sondagens de domingo, obteve 125 votos – tornando-se o maior partido no Parlamento.

Embora o risco de um governo de extrema-direita tenha sido por agora evitado, as eleições mergulharam a França na incerteza política. Momentos depois de o seu partido ter sido derrotado pela extrema-direita nas eleições da UE, Macron convocou as eleições três anos antes do necessário.

Embora os resultados das eleições na UE não tenham qualquer influência na política interna, Macron disse que não poderia ignorar a mensagem que os eleitores lhe enviaram e queria esclarecer a situação.

Mas os resultados de domingo podem turvar ainda mais o quadro político francês. Com novas eleições impossibilitadas de serem convocadas durante pelo menos mais um ano e faltando três anos para a sua presidência, Macron parece prestes a presidir um parlamento indisciplinado no meio de problemas crescentes a nível interno e externo.

Edouard Philippe, ex-primeiro-ministro francês e aliado de Macron, disse que o jogo de Macron complicou ainda mais a situação.

“É um facto que nenhum bloco político tem maioria absoluta na assembleia. A dissolução da assembleia, que pretendia ser um esclarecimento, gerou, em vez disso, uma grande ambiguidade”, disse ele na noite de domingo.

“Portanto, as forças políticas centrais têm uma responsabilidade contínua. Não devem comprometer, mas encorajar a criação de um acordo que estabilize a situação política.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *